terça-feira, 16 de setembro de 2008

Amy Winehouse

Tenho lido algumas chamadas para notícias e muitas críticas na mídia à cantora Amy Winehouse. Dia desses, zapeando o controle remoto eu vi no Pânico na TV uma performance bastante bizarra batizada de "Momento Amy Winehouse" que na sua estrutura relembrava o antigo quadro - igualmente sem o menor senso - chamado "A Hora da Morte".

Sinto-me no dever de confessar aos dois ou três leitores deste blog que eu não tenho a menor idéia de nada sobre essa tal Amy Winehouse. Não sei de que país ela é, nem que tipo de música canta ou se toca algum instrumento, nem como é o seu timbre de voz (dizem que é muito bom), enfim quase nada. Só o que ouço ou leio nos títulos: que é uma surtada que se entope de drogas - legais ou ilegais, sei lá - e que tem protagonizado várias presepadas em locais públicos.

Curiosamente esse "conhecimento" não me fez nenhuma falta, assim como aquelas notícias de colunas sociais tipo "Fulano trepa com Beltrana no castelo de Caras", "Emengarda está curtindo a gravidez do jogador Sicrano", "Joãozinho casou-se nesta semana com Mariazinha e foi passar a lua-de-mel nas ilhas gregas" e coisas assim, nada, nada, absolutamente nada disso me desperta o menor tipo de interesse.

Isso se aplica também à vida dos vizinhos e parentes. Nas reuniões ou festas o que mais rola é comentário sobre a vida alheia. Vejo pouca gente falando de si, de seus projetos pessoais, de suas eventuais frustrações ou de seus relacionamentos amorosos. É sempre "o outro" o objeto da conversa. Não que eu seja algum tipo de santo budista iluminado e jamais comente alguma coisa sobre outrem. Claro que o faço, sobretudo se tratar-se de uma pessoa querida que me desperte alguma preocupação ou ainda melhor, quando é alvo de admiração por algum progresso visto. Só não é meu foco.

Mas continua me faltando tempo para cuidar de mim, da minha prole, dos meus estudos, das minhas finanças e dos meus projetos. Talvez felizmente. Assim continuarei a não dar a mínima para essa tal de Amy Winehouse. De algum modo estar ignorante sobre a vida de celebridades me faz sentir mais feliz.

E o Quico? Pergunte ao Chaves.

3 comentários:

Carla Martinez disse...

Uhuuuuuuuuuuu!!! Apoiado!!! Clap clap clap clap clap clap clap clap...
Concordo em gênero, número e degrau. Prefiro mil vezes falar da minha vida, e ouvir sobre a vida da pessoa do que fofocar sobre o orifício anal alheio.

E quanto à Amy, é um tipo de música que me agrada muito. Pouco me importa se ela é suicida. A fia canta demais!!!

Beijo, Tio!!!

Gabriela Martins disse...

Eu gosto da Winehouse e das músicas dela, mas acho tristíssima essa história dela com drogas. Medo dela ir embora muito cedo.

Anônimo disse...

Ahn...legal...mas, você escreveu cinco parágrafos para sobre a "benedita cuja" para dizer que não ia falar sobre ela.
Bom, tudo bem...mas, ficou engraçado.
No fim, VOCÊ FALOU SOBRE ELA.
Hahahahaha.
Tá bom, vai, Tio. Eu te compreendo.